Como cristãos tornaram a tatuagem cool na Roma Antiga

Naiara Leão
5 min readJun 12, 2018

“Trago no corpo as marcas de Cristo”. De punição a escravos e criminosos, tatuagem virou símbolo de resistência política e espiritual

Detalhe de corpo de mumificado de mulher do Sudão, século 7. Ela tem tatuagem de monograma de São Miguel. Fonte: British Museum

No Império Romano dos primeiros séculos depois de Cristo, a tatuagem significava o mesmo que para a maioria da sociedade algumas décadas atrás: coisa de marginal e de bandido. Os romanos a usavam como punição pública a escravos e criminosos quando os cristãos começaram a marcar a pele também, mas espontaneamente. Alguns diziam que a stigma (palavra latina para marca, tatuagem ou cicatriz) não era produzida, simplesmente aparecia, como numa experiência milagrosa que remetia aos ferimentos de Cristo e dos primeiros mártires. E foi nessa altura que as coisas se inverteram. De símbolo de subjugação política, a stigma se tornou, para esses religiosos, sinal de eleição divina.

“Nos discursos sobre o martírio e a figura de Cristo crucificado, cristãos da Antiguidade subverteram símbolos de dominação e submissão, ação e passividade, honra e vergonha, apropriando-se da identidade de escravos ou criminosos”, explica a historiadora norte-americana Virginia Burrus em um artigo sobre Macrina. Freira do século 4 tornada santa, Macrina é objeto da primeira biografia feminina da história ocidental. O autor, seu irmão, conta que, ao preparar o corpo de Macrina para o funeral, descobriu em seu peitoral uma cicatriz “como uma ‘stigma’ feita por uma pequena agulha”. A monja que o acompanhava, amiga de Macrina, contou que o sinal era posterior à cura de uma grave doença e revelou: ”Isto é deixado no corpo como um lembrete do grande socorro de Deus”.

Breve história da tatuagem

Obviamente, nem cristãos nem romanos inventaram o gosto pela tatuagem. Ele já vem da Pré-História e é comum entre índios e outros povos autóctones das Américas e Oceania. Mesmo na Antiguidade (+- 4.000 A.C a 700 D.C) Mediterrânea (Sul da Europa-Norte da África- Oriente Médio), contexto dominado pela cultura helênica e latina da qual falamos aqui, certos grupos tinham o costume de tatuar os sacerdotes de seus deuses. Sempre criticados pela elite greco-romana.

Essa elite classificava como “bárbaros” os povos que viam a tatuagem de maneira positiva. Eram etnias dominadas, estrangeiros considerados inferiores. Por outro lado, sinalizar escravos com…

--

--

Naiara Leão

Nomad. PhD student of Religion, early Christianity and Women's and Gender Studies. Follow my IG @academicanomad